Pernambucano

Pernambucano: Caso Flamengo de Arcoverde é julgado; Pipico, do Santa Cruz, é punido

Apesar da apresentação de provas da defesa, o TJD-PE solicitou documentação adicional e caso volta a ser julgado na próxima quinta

Publicado em 21/02/2019
por Agência Futebol Interior

Recife, PE, 21 (AFI) - Na noite desta quinta-feira, 21, o Flamengo de Arcoverde enfrentou pela primeira vez os tribunais no imbróglio o qual envolve o clube e jogador Júnior Gravatá, suspeito de ter atuado de maneira irregular nos três primeiros jogos do Campeonato Pernambucano.

O CASO

Antes de apresentar como procedeu o julgamento, é importante entender a situação, iniciada em 2017. Júnior Silva, a época Júnior Gravatá, foi contratado pelo Pesqueira para a disputa da Série A2 do Pernambucano.

Logo no jogo de estreia, diante do Decisão Bonito, aos 4 minutos do primeiro tempo, o atacante foi expulso pelo árbitro Nielson Nogueira Dias junto ao zagueiro Danilo Quipapá, do Falcão, após ambos se envolverem em uma confusão e trocarem agressões verbais.

Atacante Júnior Gravatá foi pivô de polêmica envolvendo o Flamengo de Arcoverde, Federação e Petrolina. Foto: Mausanro - Mausanro
Atacante Júnior Gravatá foi pivô de polêmica envolvendo o Flamengo de Arcoverde, Federação e Petrolina. Foto: Mausanro

Como o campeonato foi marcado por problemas e casos mais graves, o julgamento acabou sendo postergado para o mês de dezembro, já depois da competição, e ambos os jogadores acabaram punidos, com Júnior levando quatro duelos de gancho.

No ano de 2018, o jogador iria disputar a Série A2 pelo Atlético Pernambucano, mas o Tatu-Bola não disputou a competição e ele ficou sem atuar em competições dentro do estado de Pernambuco.

Contratado pelo Flamengo no início de 2019, foi feito um pedido à federação para se reverter a punião sofrida em multa, tendo essa sido paga pelo Flamengo de Arcoverde antes do início do Pernambucano.

Apesar disso, o fato levantou suspeitas do Petrolina e, mesmo após o presidente da FPF-PE, Evandro Carvalho, comunicar à Rádio Jornal que o jogador estava regular, o clube acabou denunciado pela própria Federação, com o julgamento tendo ocorrido nesta quinta-feira. Confira as informações sobre o julgamento apuradas pela reportagem do Futebol Interior abaixo.

O JULGAMENTO

Iniciado sob forte tensão com acusação e com a presença de representantes de clubes interessados, o tribunal recebeu as falas do advogado arcoverdense o qual apresentou a documentação de defesa.

Nela, o time sertanejo apresentou uma certidão de nada consta a qual teria sido solicitada no dia 18 de janeiro, data do pagamento da multa, mas entregue apenas no dia 8 de Fevereiro ao clube pelo próprio TJD-PE e FPF-PE. Apesar disso, os auditores do Tribunal de Justiça de Pernambuco solicitaram documentação adicional, dando prazo de 48 horas úteis para a apresentação.

Tigre do Moxotó ainda corre contra o tempo para providenciar documentação adicional. Foto: Divulgação/Flamengo de Arcoverde - Divulgação/Flamengo de Arcoverde
Tigre do Moxotó ainda corre contra o tempo para providenciar documentação adicional. Foto: Divulgação/Flamengo de Arcoverde

Com isso, o julgamento foi suspenso e remarcado para a próxima quinta-feira. Nos bastidores do rubro-negro, a expectativa é positiva e por uma absolvição. Entrevistado por uma rádio local, o presidente Olavo Bandeira afirmou estar otimista e pronto para providenciar a documentação junto ao TJD-PB, onde ela se encontra, já nesta sexta-feira, tranquilizando a sua torcida.

PIPICO

Atacante Pipico foi punido com seis jogos após expulsão sofrida diante do Petrolina. Foto: Divulgação/Santa Cruz - Divulgação/Santa Cruz
Atacante Pipico foi punido com seis jogos após expulsão sofrida diante do Petrolina. Foto: Divulgação/Santa Cruz

Denunciado no Artigo 254-A, inciso II (agressão física - pena de 4 a 12 jogos), o atacante Pipico, do Santa Cruz, foi punido com seis jogos de suspensão em decorrência de uma expulsão sofrida diante do Petrolina, segundo informações dos repórteres Sebastião Costa, Victor Cavalcanti e Alexandre Ricardo (referentes ao artigo, via Twitter), além de veículos de imprensa pernambucanos.

Caso a punição ao jogador seja confirmada, a Cobra Coral perde o atacante até as semifinais, já que ele ainda precisa cumprir quatro jogos pela primeira fase do campeonato e jogo único válido pelas quartas-de-final.

A punição pegou torcedores e membros da imprensa local de surpresa, tendo sido considerada exagerada por muitos, visto que o lance o qual ocasionou a expulsão foi duvidoso. A repórtagem do Portal FI apurou que o departamento jurídico da Cobra Coral deve recorrer.