Mato-Grossense

MATO-GROSSENSE: Invicto, Cuiabá empata com Operário e conquista o tri

Com a conquista, o Dourado chegou a seu nono título estadual em 18 anos de fundação

Publicado em 21/04/2019
por Jorge Maciel - Futebolpress

Cuiabá, MT, 21 (AFI) - O Cuiabá conquistou o tricampeonato mato-grossense e agora acumula nove títulos estaduais.

Neste domingo, na Arena Pantanal, no jogo de volta da decisão, o Dourado empatou com o Operário-VG, por 2 a 2, e, como havia vencido a primeira partida por 2 a 0, se firmou como o time da hegemonia do futebol em Mato Grosso conquistando mais um título.

Não bastasse isso, o Cuiabá cravou ainda algumas marcas: o time chega ao tricampeonato de forma invicta, o atacante Caio Dantas foi o artilheiro da competição com oito gols e o seguro Victor Souza é o goleiro menos vazado com apenas cinco gols sofridos.

COBERTURA COMPLETA

O Portal FUTEBOL INTERIOR acompanha todos os Campeonatos Estaduais do Brasil online pelo PLACAR AO VIVO e também depois com comentários e destaques da rodada.

Baixe também o Aplicativo - App Placar FI - tanto pelo Google Play como APP Store.

VEJA TODOS OS DETALHES DOS ESTADUAIS!

O COMEÇO
Com vantagem de poder perder por um gol de diferença, o Cuiabá iniciou a partida em ritmo de treino, com toques rápidos e cadenciando o jogo. Já o Operário, precisando fazer 3 a 0, entrou com força total.

Jogadores do Cuiabá comemoram o título conquistado diante do Operário-VG (Foto: Ascom Cuiabá)
Jogadores do Cuiabá comemoram o título conquistado diante do Operário-VG (Foto: Ascom Cuiabá)

Aos nove minutos, por exemplo, o operariano Felipe Herbet perdeu um gol feito. Abner avançou pela esquerda cruzou forte e o goleiro Victor Souza defendeu para a marca do pênalti, mas ele não aproveitou o rebote, chutando fraco para a recuperação do goleiro.

Logo a seguir, o mesmo Felipe cruzou, o goleiro cuiabano espalmou para o lado, mas Alex se atrapalhou. E foi só pelo lado tricolor.

DOURADO NA FRENTE

Mesmo em toada de treino, o Cuiabá começou a controlar a partida com passes rápidos, envolvendo a defesa operariana - montada com apenas dois zagueiros – ao contrário de toda a campanha, quando ó técnico Ariel Mamede jogou com três defensores à frente da área.

De tanto pressionar, o Cuiabá chegou aos gols aos 18 minutos da primeira etapa ainda, com Marino, aproveitando um escanteio batido por Toty, em que Douglas Mendes desviou de cabeça e Marino só empurrou para as redes.

Abatido ainda com o gol, bagunçado em campo, o Operário deu espaço e Alê limpou na frente da área e fuzilou para fazer 2 a 0, aos 48 minutos, encerrando a primeira etapa.

FOI PARA CIMA

Na volta, Mamede fez três substituições logo aos dez minutos. Trocou Yan Peter por Caio, mandou a campo o atacante Peixinho no lugar do volante Alex e trocou Abner, que não vinha bem, por Bruno. O time cresceu, mas o tempo era outro adversário, já que o Cuiabá continuava mandando na partida e amarrando o jogo.

O técnico Itamar Schule fez suas alterações. Tirou Danilo, machucado, para a entrada de Werinton, e fez entrar o uruguaio Agostin Gutierrez para a saída de Valdeir. O time ganhou velocidade, mas a vantagem deixava os jogadores displicentes.

BUSCOU O EMPATE

Aos 36 minutos, Alef aproveitou a desatenção da zaga e diminuiu, escorando escanteio. Depois, o zagueiro Douglas Mendes cometeu pênalti, tomando o segundo amarelo. Felipe converteu a penalidade, aos 47 minutos da segunda etapa e empatou a partida, mas não havia tempo para mais nada.

PREPARO FÍSICO E TIME SOBRANDO
Um dos destaques do Dourado, além da qualidade técnica dos jogadores e da armação da equipe pelo técnico Itamar Shulle, foi o preparo físico do time - que começou e terminou em todo a competição. Em janeiro, o preparador, professor Gamarra, dizia que o time chegaria inteiro nas quartas de final. E não deu outra, o time voou e tornou o melhor condicionamento físico uma arma.