Fifa confirma Brasil entre 8 países candidatos a abrigar Mundial Feminino de 2023

As federações têm até 13 de dezembro para enviar à entidade o livro da candidatura

Publicado em 03/09/2019
por Agência Estado

Campinas, SP, 03 - A Fifa revelou, nesta terça-feira, os oito países que mantiveram interesse na candidatura para ser sede do Mundial Feminino de Futebol de 2023, que será o primeiro a ter a participação de 32 seleções.

São eles: Argentina, Brasil, Colômbia, Austrália, Japão, Coreia do Sul (essa em conjunto com a Coreia do Norte), Nova Zelândia e África do Sul. Bélgica e Bolívia saíram desta disputa.

As federações terão até 13 de dezembro para enviar para a Fifa o livro de sua candidatura, seu compromisso para ser organizador e os documentos exigidos para se converter em anfitrião da competição. Todo material será publicado no site oficial da entidade que dirige o futebol mundial.

Brasil foi eliminado nas oitavas de final na Copa do Mundo de 2019 - CBF
Brasil foi eliminado nas oitavas de final na Copa do Mundo de 2019

Até esta data limite estabelecida pela Fifa, outras associações ainda poderão se candidatar. Equipes de inspeção da Fifa vão visitar os países aspirantes em janeiro e fevereiro de 2020 e a eleição da sede está prevista para maio do próximo ano.

HALL DE CAMPEÃS

Suécia (1995), Estados Unidos (1999 e 2003), China (1991 e 2007), Alemanha (2011), Canadá (2015) e França (2019) foram os países que organizaram os oito primeiros Mundiais disputados até hoje.

As norte-americanas somam quatro taças (1991, 1999, 2015 e 2019), enquanto as alemãs foram campeãs em 2003 e 2007. Noruega (1995) e Japão (2011) também ganharam. O Brasil tem um vice-campeonato (2007) e um terceiro lugar (1999) como os seus melhores resultados.

Em 31 de julho, o conselho da Fifa aprovou por unanimidade a ampliação de 24 para 32 o número de seleções participantes em 2023, após o sucesso na edição deste ano, na França, onde os Estados Unidos venceram a Holanda, por 2 a 0, na decisão.

A seleção brasileira, que passou a ser comandada pela sueca Pia Sundhage a partir do final de julho, foi eliminada do Mundial nas oitavas de final pelas francesas. Um mês após a queda na competição, o técnico Vadão foi demitido da equipe nacional.