Brasileiro

Enfermeiro de formação, árbitro brasileiro atua em hospital no combate ao Covid-19

Igor Benevenuto se formou em 2012 pela Faculdade Pitágoras, em Belo Horizonte, e tem trabalhado das 19 horas às 7 horas

Publicado em 06/04/2020
por Agência Futebol Interior

Belo Horizonte, MG, 06 (AFI) - O árbitro mineiro Igor Junio Benevenuto não quis saber de folga com a paralisação do futebol por conta da pandemia do novo coronavírus.

Enfermeiro de formação, ele foi para a linha de frente no combate ao Covid-19 e tem dado plantão na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em Sete Lagoas.

"Resolvi trabalhar como enfermeiro para manter esta rede de empatia e de ajuda. Estou contribuindo com o meu tempo, meu conhecimento técnico na área e meu talento. Acredito que ajudar o próximo é ajudar a si mesmo também", revelou.

"E a enfermagem é, justamente, esta arte de cuidar e ter atenção com o próximo, ajudar a salvar vidas e melhorar a condição de outras pessoas", disse o profissional de 39 anos site da CBF.

FORMADO E VOLUNTÁRIO!
Igor Benevenuto se formou em 2012 pela Faculdade Pitágoras, em Belo Horizonte, e tem trabalhado das 19 horas às 7 horas. Além de trabalhar como enfermeiro, o árbitro também tem treinado fisicamente para não perder seu preparo e estar em ordem para quando a bola voltar a rolar.

Árbitro na linha de frente. (Foto: Divulgação)
Árbitro na linha de frente. (Foto: Divulgação)
"Eu saio às 7h da manhã da UPA e vou dormir quando chego em casa para descansar. Acordo por volta das 11h e acompanho os testes online sobre a regra com o Gaciba (Leonardo, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF), faço as atividades físicas aqui em casa acompanhando o que os nossos preparadores passam e estou sempre em contato com a Dr. Marta (Magalhães, psicóloga da Comissão de Arbitragem) através das chamadas de vídeo", revelou o multitarefas.

O árbitro-enfermeiro ainda é voluntário no projeto Guardiões do Riso. O intuito é ir em hospitais e lares de idosos e utilizar a metodologia do "Doutor Palhaço".