Brasileiro

Brasileirão: CBF pretende que VAR tenha central única na competição

A CBF fará o primeiro grande teste no próximo dia 16, quando Flamengo e Athletico se enfrentarão pela Supercopa

Publicado em 03/02/2020
por Agência Estado

Campinas, SP, 3 - O segundo ano do VAR no Campeonato Brasileiro deverá ter uma novidade: em vez de os árbitros de vídeo terem suas cabines instaladas nos próprios estádios, eles deverão fazer as análises a partir de uma central no Rio - algo semelhante ao que acontece na Copa do Mundo. A CBF fará o primeiro grande teste no próximo dia 16, quando Flamengo e Athletico se enfrentarão no Mané Garrincha, em Brasília, pela Supercopa, e terão seus lances escrutinados diretamente da sede da entidade.

Central do VAR durante o Brasileirão (Foto: Divulgação/CBF)
Central do VAR durante o Brasileirão (Foto: Divulgação/CBF)

Para o anúncio oficial ser feito, porém, faltam ainda dois "detalhes": o primeiro é o Congresso Técnico do Brasileirão votar pela própria manutenção do VAR - a reunião com os 20 clubes da Série A vai ocorrer ainda este mês.

O segundo é a instalação de sistema de fibra ótica que permita a conexão com todos os estádios que sediarão jogos do Brasileiro. A tendência é que ambos se confirmem.

"A vantagem de ter um árbitro de vídeo centralizado é ter uma base apenas. Fica mais fácil para controle, padronização de critérios. O próprio treinamento fica mais fácil. O árbitro (de vídeo) que irá trabalhar no jogo das seis da tarde poderá treinar com o jogo que está acontecendo às 11h da manhã", afirmou o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba. "A gente acredita que será um ganho técnico muito grande."

Segundo Gaciba, implementar o sistema ficaria "um pouco mais caro" devido à necessidade de se alugar o sistema de fibra ótica, mas os valores (ele não revelou quanto) seriam compensados pelo "ganho técnico".

Caso o sistema de centralização e imagens se confirme, Gaciba sinaliza com a possibilidade de permitir acesso até mesmo a torcedores. "Quem sabe podemos permitir ao público que ele possa ver essa central funcionando, em real time, durante o Campeonato Brasileiro", sugeriu.

BALANÇO

O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF fez um balanço da utilização do VAR no Brasileirão do ano passado. E se disse muito satisfeito com o primeiro ano do uso da tecnologia no principal campeonato do País.

Segundo dados da própria CBF, ao longo dos 380 jogos do Brasileirão foram realizadas 2.344 checagens e revisões, uma média de 6,17 por jogo. Os árbitros foram efetivamente aos monitores para rever os lances em 211 ocasiões (9% das vezes), e em 183 delas a marcação acabou modificada.

Gaciba apontou ainda que a média de tempo para uma tomada de decisão a partir do uso do VAR no Brasileirão ficou em 1min34. "Estamos dentro do padrão mundial, e nossa tendência é evoluir", afirmou. Na Copa do Mundo, as interferências tiveram duração média de 55 segundos. Na Liga dos Campeões da Europa, de 1min30.

QUADRO DA FIFA

A CBF entregou nesta segunda-feira as insígnias de árbitros e assistentes da Fifa a 20 árbitros e dez árbitras que atuam no País. Nos dois casos, metade são juízes principais e metade são assistentes.