Torneio Uber Feminino de Seleções

Após brilhar na final, Aline Reis comenta nova era na Seleção e projeta Tóquio 2020

Goleira defendeu três penalidades diante do Chile, mas não evitou vice-campeonato em torneio amistoso

Publicado em 02/09/2019
por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 02 (AFI) - Após 0 a 0 no tempo normal, a Seleção Brasileira foi derrotada nos pênaltis pelo Chile e ficou com o vice-campeonato do Torneio Uber Internacional.

Embora tenha sido superior ao longo dos 90 minutos, o time feminino decidiu a taça nos pênaltis. Mesmo com Aline Reis iluminada, responsável por defender três cobranças, o título escapou pelos dedos, em revés por 5 a 4 na marca da cal.

QUE ESTRELA!

Reserva de Bárbara na Seleção, Aline recebeu grande oportunidade de disputar a decisão do torneio amistoso, realizado no Estádio do Pacaembu, em São Paulo. A atleta deixou o gramado como grande destaque e misturou emoção com otimismo em entrevista.

Revelada no Guarani, Aline Reis foi decisiva nos pênaltis diante do Chile - Mauro Horita / CBF
Revelada no Guarani, Aline Reis foi decisiva nos pênaltis diante do Chile

"Eu fiquei emocionada mesmo antes do jogo quando vimos tanta gente nas arquibancadas e gritando 'Brasil'. A gente não está acostumada com isso. Só este fato me emocionou. Em relação aos pênaltis, eu fiz o que podia. Infelizmente, não deu para ser campeã, mas deu para a gente mostrar que, unidas, nós podemos elevar o nome do futebol feminino do Brasil", comentou.

"Fiquei muito feliz também de poder jogar aqui em São Paulo, tendo ao meu lado toda a minha família. Sou de Aguaí, mas cresci em Campinas e morei e estudei nos Estados Unidos. É o máximo estar aqui ao lado da torcida e da minha família", emendou.

NOVA ERA

O Torneio Uber Internacional marcou início de nova era na futebol feminino nacional. Depois do desligamento do técnico Oswaldo Alvarez, eliminado das oitavas de final da Copa do Mundo da França, a sueca Pia Sundhage assumiu o comando, agora com nova filosofia.

"Foi apenas uma semana de trabalho, mas já deu para saber que todas nós vamos aprender muito com a Pia. Ela tem experiência e está motivada a nos passar todos os conhecimentos. Por outro lado, as meninas parecem ter entendido isso e não querem perder a oportunidade única que temos de ter uma pessoa tão gabaritada ao nosso lado", pontuou Aline.

"Fomos bem na Copa do Mundo da França e acho que podemos fazer bonito em Tóquio, nas Olimpíadas. Vamos manter o trabalho e com o apoio da CBF", completou a camisa 1.

Aline Reis ganha força para assumir titularidade do gol brasileiro em Tóquio - Mauro Horita / CBF
Aline Reis ganha força para assumir titularidade do gol brasileiro em Tóquio

CARREIRA

Aline Reis começou carreira nas categorias de base do Guarani. Nos anos 90, o Bugre, à época, tinha boa organização da modalidade, sob coordenação de Fernando Pereira e outros profissionais.

A jogadora, antes de cursar a High Scholl, na Flórida, onde depois fez faculdade, trabalhou dois anos na Universidade de Los Angeles como auxiliar de treinador de goleiros.

No retorno ao Brasil, atuou na Ferroviária, um dos clubes com maior investimento e tradição no futebol feminino do país, abrindo espaço para convocação à Seleção - atualmente, defende as cores do Tenerife (ESP).

No currículo, a profissional de 30 anos já soma participação nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016) e a Copa do Mundo de Futebol Feminino (2019). O próximo passo, agora, é estar presente em Tóquio-2020.