Advogado diz que provas contra Ronaldo em acusação de estupro foram 'fabricadas'

O português se defendeu e disse estar com a consciência tranquila, e a Juventus mostrou apoio a seu jogado

Publicado em .

São Paulo, SP, 10 - O advogado contratado por Cristiano Ronaldo em Las Vegas para defendê-lo da acusação de estupro declarou nesta quarta-feira que as evidências citadas pela imprensa sobre o caso foram "completamente fabricadas". De acordo com Peter Christiansen, o encontro entre o craque e a norte-americana Kathryn Mayorga, responsável pela denúncia, foi consensual.

Cristiano Ronaldo tenta ficar em segundo plano no caso polêmico
Cristiano Ronaldo tenta ficar em segundo plano no caso polêmico

Na semana retrasada, a revista alemã Der Spiegel publicou uma entrevista com Mayorga em que ela acusava Ronaldo de a ter estuprado em 2009, em Las Vegas. O português se defendeu e disse estar com a consciência tranquila, e a Juventus mostrou apoio a seu jogador. Por outro lado, patrocinadores do craque se mostraram preocupados e ameaçaram se distanciar.

DOCUMENTOS ALTERADOS
De acordo com comunicado divulgado por Christiansen, os documentos mencionados pela imprensa sobre o suposto estupro foram "alterados" antes de serem "publicados irresponsavelmente". O advogado garantiu que as evidências foram roubadas de um escritório de advocacia por hackers e, então, colocadas à venda.

"Ronaldo está acostumado a ser alvo da atenção da imprensa, que acompanha o fato de ser famoso. Mas é absolutamente deplorável que qualquer veículo da mídia suporte ou prolongue uma campanha de difamação deliberada e elaborada com base em roubo e documentos digitais facilmente manipulados", afirmou.


REABRINDO O CASO ?
De acordo com Mayorga, Ronaldo a obrigou a ter relações com ela em um quarto de hotel em Las Vegas, há nove anos. A norte-americana ainda afirmou que o astro a ofereceu US$ 375 mil (cerca de R$ 1,4 milhão pela cotação atual) para que ela não tornasse o caso público.

No comunicado divulgado nesta quarta, Christiansen admitiu a realização de um acordo entre Ronaldo e Mayorga em 2010, mas sem citar valores. Os advogados da norte-americana garantem que ela só aceitou o pagamento do português por temer por sua família.

"Dada a quebra do acordo pela outra parte e as acusações inflamadas que foram realizadas nos dias seguintes, o Sr. Ronaldo sente-se obrigado a não mais ficar calado", afirmou Christiansen.